top of page
Picsart_23-09-14_09-31-26-480.png
InShot_20220301_173144045_edited.jpg

Siga o Portal
nas redes sociais:

  • YouTube - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

PROCURE PELOS SEUS
POSTS FAVORITOS:

______________________

"Estamos vivendo um sonho" (VOGUE - 07/2022)


Disclaimer: transcrição e tradução da matéria e entrevista feita pela VOGUE MAGAZINE ao Måneskin, publicada em 28 de Julho de 2022.
"É o mundo de Måneskin, nós só vivemos nele"

Mesmo que você não esteja familiarizado com a sensação musical que é Måneskin, há uma boa chance de você saber que Angelina Jolie e Shiloh Jolie-Pitt estavam entre os 70.000 fãs que se reuniram para ver a banda tocar no Circo Massimo em sua cidade natal de Roma há algumas semanas, porque o TikTok e os tablóides tiveram um dia de campo relatando isso.


Se as apresentações estiverem em ordem, Måneskin (pronuncia-se Moan-eh-skin) é uma banda de rock italiana com um apelido dinamarquês (que significa luar), que foi formada em 2016 pela baixista Victoria De Angelis (que é meio dinamarquesa, o que explica o nome da banda), o guitarrista Thomas Raggi, o vocalista Damiano David e o baterista Ethan Torchio.


O quarteto participou de um concurso de talentos local e se apresentou em Roma antes de competir no The X-Factor da Itália em 2017, onde ficou em segundo lugar. Três anos depois, eles venceram o Festival de SanRemo e o Eurovision Song Contest, com uma performance explosiva e glamourosa – repleta de couro berinjela amarrado, botas de plataforma, peito nus e delineador pesado – que derrubou a casa. Era maio de 2021, o mundo estava saindo de um ano de confinamento e o senso de diversão da banda era contagiante. Pouco tempo depois, eles receberam um convite para abrir para os Rolling Stones em LA.


Eles estão de volta aos Estados Unidos esta semana para uma apresentação no Sirius Small Stage, e é uma sorte que todos os membros do Måneskin tenham atingido a idade legal para beber, porque eles têm muito a celebrar. Seu single de sucesso, “Supermodel”, produzido pelo hitmaker sueco Max Martin, é atualmente o número um nas rádios alternativas, e está a caminho de se tornar a música do verão. Além disso, acaba de ser anunciado que a banda está concorrendo a dois Video Music Awards (Melhor Artista Revelação e Melhor Música Alternativa). Tudo isso e um guarda-roupa Gucci feito pelo próprio Alessandro Michele.


A história deles não é uma história corajosa da pobreza à riqueza, embora siga mais ou menos a do sonho apócrifo americano, aquele que tantos italianos deixaram para perseguir nos Estados Unidos.


“Estamos vivendo um sonho, com certeza”, admitiu o vocalista David, em uma visita à Vogue com Gucci, “mas de uma maneira diferente. Não sentimos que fomos descobertos; cavamos cada centímetro desse buraco em que estamos. Trabalhamos muito para chegar até aqui, então é claro que estamos felizes, mas por outro lado, desculpe se sou um pouco arrogante, mas sentimos que é bem merecido."


Merecido, sim (a devoção da banda ao seu ofício é revelada em seu documentário de 2018) - mas também aparentemente fora do campo de visão geral. Uma banda italiana de glam punk rock? Quem teria pensado nisso? A Itália é conhecida por muitas coisas – moda, arte, comida e tecidos, entre elas – mas a cultura jovem nem tanto. E, pelo menos fora da Itália, ninguém era conhecido pelo rock 'n' roll. Måneskin surpreende a cada passo, desafiando as expectativas de novo e de novo. Seja do seu gosto ou não, a voz blueseira de David não pode ser negada, nem a pura alegria da banda no que estão fazendo. Em pouco tempo, eles manifestaram seus sonhos de estrela do rock, passando de desempenhar um papel a possuí-lo.


À primeira vista, o que mais marca Måneskin como italiano é a sua Guccificação. Mas em quase todos os outros aspectos eles mudaram o roteiro. Muito do que é exportado da Itália recebe o estereótipo e nostálgico toque “Dolce Vita” – é tudo Roman Holiday, Sophia! Gina! E o Davi de Michelangelo. O ponto de vista de Måneskin é mais global e está particularmente ancorado em um som pesado de guitarra dos anos 1970 e no estilo dos roqueiros britânicos e americanos: David Bowie como Ziggy Stardust, Slade e New York Dolls vêm à mente.


Embora Måneskin canalize a vibração de “sexo, drogas e rock 'n' roll” que foi desenvolvida em bares de mergulho e nos arredores arenosos do Lower East Side do centro de Nova York, os quatro têm uma atitude mais evoluída em relação à saúde e à autopreservação. Estimulantes artificiais não parecem fazer parte da equação – apesar de uma tempestade em um bule de chá no Eurovision. (Foi tirada uma foto em que David estava debruçado sobre uma mesa para pegar um copo quebrado, e alguém sugeriu que ele estava cheirando cocaína. Ele não estava, disse isso e se ofereceu para fazer um teste de drogas, que confirmou isso.)


Apesar da anti-heroína de seu sucesso de verão ("Supermodel"), Måneskin, que tem estado constantemente na estrada e sob os holofotes, precisam de férias – não de reabilitação.


A música, a propósito, não é sobre uma pessoa específica, mas uma composição de posers que a banda conheceu durante seu tempo em Los Angeles.


“Muitas pessoas pensam que a música é realmente sobre uma supermodelo, mas não é”, enfatiza David. “As supermodelos dos anos 90… são super legais, super inteligentes, super focadas. Eles estavam vivendo esse estilo de vida estranho e louco, mas era autêntico e natural [para eles]; a música é sobre pessoas fingindo ser supermodelos. Vimos muitas pessoas sem dinheiro, sem habilidades, sem nada, fingindo ter habilidades com dinheiro e redes, e isso foi super engraçado para nós. Na verdade, elas estavam fingindo ser supermodelos.”


Enquanto estávamos no assunto, pedi a cada membro que identificasse seu super favorito dos anos 90 na vida real. De Angelis, Raggi e Torchio são todos da equipe Kate Moss; A escolha de David é Carla Bruni.


A fama agora faz parte da vida de todos os “Måneskins” e manter uma vida pessoal é um desafio, diz David. Há também a questão de sustentar a pessoa e a persona. Moda e delineador pesado são partes importantes deste último. Este quarteto é um sonho febril ao estilo dos anos 70, com preferência por camisas abertas que revelam tatuagens e calças flare. Eles também não fogem de um pouco de BDSM em seus guarda-roupas ou letras – ouça “I Wanna Be Your Slave” do segundo álbum da banda, e o remake com o ícone da Me-Decade Iggy Pop como prova.


De certa forma, a moda e a sociedade hoje estão muito próximas dos anos 70, uma década definida, em parte, por lutas por justiça social, feminismo e liberação sexual.


“Havia muitos artistas nas cenas de rock ou punk que estavam tentando quebrar as normas através de sua música; no estilo e na estética foram muito revolucionários, também para a sociedade, não apenas para a moda”, observa De Angelis. “Infelizmente, você ainda tem que lutar por vários dos mesmos tópicos daquela época, [eles] ainda são reais agora e você ainda precisa se levantar e falar por eles.”


Para todos aqueles da geração Z, a banda quer comunicar uma mensagem de liberdade. Eles também querem compartilhar sua paixão pelo rock clássico com seus fãs. Como David disse em uma entrevista de 2017: “Nossa banda é uma tradução da música do passado para a modernidade”.

Considere a versão do hit de 1968 de Elvis Presley, “If I Can Dream”, que eles fizeram para o filme de Baz Luhrmann, Elvis. O cover de Måneskin da música de 1967 do The Four Tops, “Beggin’”, tem 1.086.877.863 de escutas no Spotify em 27 de julho de 2022.


Os covers continuam sendo uma parte importante de suas performances, mesmo quando a banda escreve e executa trabalhos originais. É uma abordagem que sincroniza com a sua missão de unir o velho e o novo e, no contexto de sua educação, parece ter uma inclinação particularmente romana. Em toda a capital, a antiguidade dialoga com o presente. Ao mesmo tempo, a nostalgia nunca foi tão forte na cultura popular, tanto antes da pandemia quanto hoje. De Angelis sugere que sua forma de jogo barulhenta e estridente foi o antídoto pós-bloqueio que muitos precisavam. Além disso, seu brilho e glamour falam com o espírito escapista e de festa que muitos designers estão explorando agora.


Embora Måneskin promova uma mensagem de aceitação e trabalhe uma estética fluida de gênero, seu mundo contém alguns binários básicos: Novo/antigo, italiano/inglês, público/privado. O que me leva de volta a essa divisão pessoa/persona. Para David, os dois coexistem:


“Acho que volta à [ideia de que] duas coisas diferentes podem viver no mesmo momento e ser igualmente reais da mesma maneira, porque sinto que sou uma pessoa completamente diferente no palco e fora do palco, mas não não sinto que estou fingindo alguma coisa em qualquer situação. É apenas uma parte de mim que sai. Quando estou fora do palco sou muito introvertido e no palco sou louco; são apenas duas partes de mim que são igualmente verdadeiras e reais, é apenas o contexto que muda.”


A reação de De Angelis é oposta à de David:

"Sinto que sou sempre eu, mas [no palco] é o momento em que sinto que posso me expressar totalmente e ficar livre de quaisquer inibições e apenas aproveitar o momento. Às vezes tocamos na frente de 60.000 pessoas, e você pensa em quando tocou exatamente a mesma música nas ruas. É uma loucura ver toda a jornada, e só nós sabemos de todas as coisas pelas quais passamos, então é algo muito emocional, e naquele momento realmente faz sentido.”


A resposta de Torchio é mais comedida.

“Eu tenho pensado muito sobre isso, na verdade, e ainda não tenho uma resposta”, explica ele. “Mas provavelmente não é sobre quem ou o que eu sou no palco ou fora dele; é mais sobre viver o momento e ultimamente estou tentando viver o presente…. Claro que sou sempre eu no palco, acho que o segredo é viver o momento.”


De sua parte, Raggi é louco por se apresentar ao vivo.

“Acho que essa é uma das coisas mais verdadeiras que você pode [experimentar], especialmente para um artista”, diz ele. “Você pode se sentir livre no palco, e é algo especial porque você não tem filtro com seu público, basicamente é uma conexão direta, então é algo louco. Para mim, é a melhor coisa. Ficarei para sempre no palco.”



E talvez ele vá; como David anunciou vitoriosamente no Eurovision: “O Rock 'n' roll nunca morre”.


 


Tradução: Juliana Galvão | Portal Måneskin Brasil © 2022

Original: Laird Borrelli-Persson | VOGUE © 2022



Todos os direitos reservados a VOGUE Magazine

1.178 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page