top of page
Picsart_23-09-14_09-31-26-480.png
InShot_20220301_173144045_edited.jpg

Siga o Portal
nas redes sociais:

  • YouTube - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

PROCURE PELOS SEUS
POSTS FAVORITOS:

______________________

Chosen One: entrevista a Ariah

Atualizado: 5 de jul.


"Chosen One" é a nova coluna do PMBR onde conversamos e apresentamos

artistas da cena nacional do rock no nosso pequeno espaço dedicado ao Portal!


Entrevista: Eduardo Linhares e Juliana Galvão • Redação: Brasilaine e Juliana Galvão


Conheça a Ariah - siga @ariahmusic nas redes sociais

Ariah é uma cantora de pop-rock Paulistana. Iniciou sua carreira em 2020, formada em música, e suas músicas falam muito sobre sua experiência de vida e baseada em sentimentos - principalmente da relação entre amor e dor.





Para conhecer:

Antes de qualquer coisa, como sempre: aqui é o artista que indica.

A primeira música para indicar a alguém que nunca te ouviu:

ARIAH: "Acho que “você já falou pra ela”... é a música que é meu hitzinho, digamos assim, e eu acho que mostra bastante de quem eu sou e a “8 ou 80”, que é a minha mais nova, as duas mostram faces diferentes de quem eu sou, acho que da para me entender com elas."




• • •



 O início e influências


Ariah iniciou na música aos 15 anos, cantando em uma banda cover de Evanescence, que se apresentava em restaurantes e barzinhos. Após um tempo a banda acabou seguindo outro rumo e ela começou a escrever algumas musicas em inglês ainda nessa época - passados os meses, ela decidiu que a música seria só um hobbie: Cursou um ano da vida acadêmica na área de Exatas, mas percebeu que aquilo não era pra ela - decidiu, então, cursar bacharelado em música na Universidade de São Paulo - USP, onde se formou em 2020.


"Eu conheci um monte de gente, aprendi muito sobre música, entendi melhor quem eu era, eu era a única cantora de pop-rock da faculdade, as outras pessoas eram todas cantoras de lirico ou de jazz ou samba... enfim, e aí quando eu sai de lá eu comecei de fato a minha carreira"



Perguntamos sobre as referências musicais de Ariah e, é claro que por trás de grandes determinações, existem grandes inspirações:


ARIAH: "Meu ídolo da vida é Freddie Mercury. Eu me inspiro muito nele, respiro Freddie Mercury todos os dias, e eu também tenho um outro ícone que não é do rock, na verdade é, que é a Lady Gaga - que viaja entre todos os estilos, então meio que fui me descobrindo por meio deles dois."

PMBR: Além de Freddie Mercury e Lady Gaga, quais são as suas principais influências para os projetos, para o dia a dia, quem acabou "formando" você. 


ARIAH: Tem tanta gente, não é pouca não... mas deixa eu ver: Green Day com certeza, eu adoro a Melanie Martinez, eu me inspiro nela muito nas letras dela. No estilo de tocar eu estou curtindo o Måneskin, hoje em dia eu também tô escutando bastante a Olivia Rodrigo, Willow Smith, a Avril Lavigne, que eu escuto desde que eu tinha 12 anos e também sou obcecada por ela... eu esculto Pink!, sou muito viciada em Pitty, Rita Lee, Cassia Eller,Gal Costa, gosto muito da Tarja que era do Nightwish, do Evanescence que eu falei também. Ah, é muita gente, eu escuto muita coisa mesmo, eu escuto muito Michael Jackson - falam que ele é o rei do pop, mas tinha muito rock nele... tipo, "Billie Jean" pra mim é um rock, desculpa. 



Em 2021, alguns de seus vídeos passaram a ter maior visibilidade através do TikTok, especialmente com voz e violão, e ela foi definindo seu estilo pop-rock.


ARIAH: "Em 2021 eu decidi que eu ia fazer pop-rock, que era o que eu era, que era quem eu sempre fui, e desde então eu tô ai lutando. Você falou o "ah, me conta do início da sua carreira" e pra mim eu ainda estou no início , ainda tenho muito o que correr"

Em 2022, ela foi convidada para tocar no Rock in Rio no "O palco é seu", que é uma parceria do Itaú com o TikTok, onde ela se apresentava entre os shows dos palcos Sunset e Mundo. Perguntamos como ela se vê em 10 anos, e ela diz que adoraria estar tocando em festivais:


ARIAH: "Eu queria estar tocando no Palco Sunset, nesses festivais, como uma atração importante. Eu quero fazer a diferença na música, eu não quero ser aquele artista que passa batido, ser "a segunda pessoa", eu quero ser uma artista que marca de alguma forma, quero muito poder alcançar muita gente fora do meu nicho - não sei se isso é possível, mas eu só quero ser o possível, para ser suficiente e para fazer a diferença."



• • •


 O nome artístico, relação com os fãs e identificação


PMBR:  Por que 'Ariah'?


ARIAH: "Meu nome artístico vem do meu signo, que é Áries, porque me identifico muito com meu signo em todos os aspectos (menos no agressivo, eu sou uma pessoa pacífica por causa do me ascendente). Mas eu também queria um nome que me definisse melhor que meu nome de nascimento, que eu acho que não tem muito a ver com a minha identidade artística, então eu escolhi Ariah e eu queria um nome que fosse um nome só, e aí eu escolhi esse, depois de procurar muito foi o que mais me definiu."


PMBR:  E você tem um fã base bem grande, as pessoas se identificam muito com as suas músicas. Como é que você se sente com isso? Como que isso te inspira a continuar criando, continuar seguindo novos caminhos e abrindo novas portas de composição e criação de música?


ARIAH: "Sinceramente eu acho bizarro, porque desde que eu nasci eu tinha na minha cabeça que eu ia ser artista e que ia dar certo, eu tinha certeza disso, que era como se fosse a minha missão. E por que eu quis fazer música? Eu não quis fazer música por eu queria ser conhecida por isso - é logico que isso vem de bônus né? Mas eu quis fazer música por que eu queria que as pessoas se sentissem menos sozinhas, por que eu sempre me senti deslocada, esquisita e ai eu queria fazer música para as pessoas acharem um lugar de conforto, assim como eu achei na música. E ver que isso está de fato acontecendo é muito louco, é estranho ser um exemplo para alguém, que nem eu olho pros outros artistas como exemplo sabe? É estranho ver isso de mim mesma, para mim eu sou uma pessoa que chora no banho, que chora no quarto... mas eu fico feliz demais, o amor que eu tenho pelos meus fãs por quem gosta da minha música é enorme. De verdade, me emociono muito só de lembrar. "

PMBR: E já aconteceu de alguém escutar a sua música e falar "essa música mudou minha vida"? 


ARIAH: "Já, isso é bizarro, aconteceu várias vezes. Uma em específico que me marcou demais: eu estava no meu show, depois do show eu estava falando com a galera e chegou uma menina adolescente ela estava com a mãe, e a gente tirou foto, depois a mãe dela virou pra mim e falou assim “eu terminei meu casamento por causa da sua música, por que era um relacionamento tóxico e escutando sua música eu tomei coragem e terminei”. Gente, eu fique em choque, muita gente pensa que meus fãs são novos, a maioria, mas eu tenho meus fãs adultos, por que pra mim a minha música é música de adulto, é sobre dor, e as crianças se identificam, assim como eu me identificava. Mas quando eu ouvi isso dessa mulher, isso mudou minha vida, de verdade. E já ouvi outras vezes também, coisas assim são minha motivação é por isso que eu faço música."

PMBR: Sim, é ter a voz e dar voz também, né? Isso é muito bonito


ARIAH: "Exatamente. Eu acho que é importante sim você ter técnica, estudar o canto, mas eu acho uma futilidade ficar comparando quem canta melhor, porque para mim a música é sobre mudar a vida das pessoas e não sobre esse negócio fútil sabe, tem nada a ver para mim. "




• • •


 Audiovisual e videoclipes


PMBR: E outra coisa interessante são seus clipes, eles são muito bem-produzidos, o visual é sempre muito bonito e são envolventes também. Eu acho que isso é uma coisa que marca muito para a galera que ouve ou começa a ouvir rock e pop-rock. De onde nasce essas ideias, tem um processo, vem naturalmente? Como é que acontece isso para você? 


ARIAH: Obrigada, primeiramente. Pros clipes eu costumo me juntar com a minha equipe de vídeo que são 2 pessoas, sendo bem sincera, minha equipe é bem pequena - com exceção de alguns clipes tipo “Saudade de mim” que eu era uma bonequinha. Aquele ali teve uma equipe maior, mas a maioria das vezes sou eu e 2  ou 3 pessoas: a gente se junta e eles começam a mandar referências do que eles acham da música, ouvem a música e ai eu mando também o que eu penso e a gente junta a ideia de todo mundo e faz acontecer.E, sim, eu sou uma artista pequena e não tenho muito investimento, então a gente sempre faz uma coisa que dá pra ficar bom mas que não gaste tanto, que fique "simples". 


• • •


 Projetos para o futuro


PMBR: Uma palavra do que a gente pode esperar da Ariah para o futuro. 


ARIAH: "Emoção, eu diria que eu sou uma artista que gosta de emitir emoções e eu acho que as próximas coisas estão bem... emocionais, digamos assim."

PMBR:  Qual música você mais se dedicou para fazer, escrever, para criar? E qual tem o maior signifcado para você.


ARIAH: "Eu tenho me dedicado muito nas novas, por que eu tô falando muito sobre mim nessas músicas, o que eu lancei até agora eu acostumei a falar mais coisas que aconteceram comigo e coisas que eu passei, mas agora eu tô falando sobre coisas internas que existem dentro da minha cabeça - então essas que estou escrevendo agora são as que eu mais me dediquei, mas tirando essas, “Substituível” que é a minha música mais "lado B", que é uma música que tem um compasso diferente, ela é 6 por 8 e eu escrevi ela no piano. Essa música é a que eu mais gosto e a que mais me dediquei na interpretação e na produção, eu acho a mais diferente e a que mais eu me entreguei."


• • •


Perguntas rápidas


PMBR: Qual música você mais está ouvindo nesse momento?


ARIAH: "Eu tô ouvindo "Máscara" da Pitty, hoje eu escutei umas 4 vezes, e "Reza" da Rita Lee. Eu amo."

PMBR: Se você fosse fazer algum feat com algum dos artistas que voce curte, quem seria? 


ARIAH: "Eu queria muito fazer um feat com a Duda Beat , eu gosto muito dela, eu sei que ela é bem do pop alternativo, mas eu sou completamente fascinada por ela, eu esqueci de falar dela naquela lista lá em cima por que é muita gente realmente, também queria muito fazer um feat com a Pitty, meu sonho essas 2."

PMBR: Indicação de artistas independentes para a galera conhecer.


ARIAH: Eu tenho 2 indicações: uma é uma amiga minha, a outra eu não conheço pessoalmente mas eu sou muito fã. A primeira é a Isa Buzzi, ela é uma amiga minha, e também tá no mesmo meio que eu, eu adoro ela e acho a musica dela muito boa, e a segunda é a GIRLI - ela é uma artista muito boa, muito boa mesmo, eu não lembro agora se ela é dos Estados Unidos ou Britânica, mas ela é excelente. Eu to viciada nas musicas dela, ela tem bem essa vibe pop-rock assim, e ela fala bastante sobre coisas sáficas, matriarcado, relacionamento com mulheres, adoro as musica delas, eu fico puxando o saco dela no instaram" (risos). Ah, tem também uma banda chamada DØNTCALL que é muito boa também. Eu gosto muito de conhecer coisas novas, se deixar eu passo o dia inteiro no Spotify olhando aqueles "artistas relacionados". 


 A cena do Rock e as redes sociais


PMBR: E como está sendo pra você até aqui, como você ve a cena atual do rock e do pop-rock, como que você se ve nessa cena, como ta sendo a experiência? É dificil entrar nas casas? 


ARIAH: "A visão que eu tenho e que existe muita dificuldade, por exemplo, de quem gostava do rock já aceitar essa galera nova que está vindo, sabe? Parece que tem uma barreira ali, entre a galera - não sei se é por causa da idade -, mas eu sinto uma dificuldade. Eu sinto que as pessoas olham pra gente como se fosse... elas dizem "ai, isso é tiktoker", sendo que hoje em dia a gente TEM QUE ESTAR no tiktok, não tem jeito, sabe? Não existe mais essa possibilidade da gente divulgar nossas músicas sem as redes sociais, mesmo tendo gravadora hoje em dia a maior parte do trabalho cai sobre a gente. Por exemplo, eu tô sem gravadora ainda, mas eu to distribuindo pela Virgin Music, então o trabalho continua igual como independente, a gente tem que estar nas redes socias e eu sinto que as pessoas - principalmente as mais velhas - olham com certo preconceito."
ARIAH: E sobre o meu papel na cena, eu tô sentindo também que tá vindo muita gente igual, por exemplo, muita gente tentando copiar a Olivia Rodrigo, muita gente tentando copiar pra ser a "segunda tal" e isso não funciona, a gente sabe que isso não funciona. Só funciona se você for você mesmo, essa é a visão que eu tenho, e tem sim pessoas que estão sendo elas mesmas - tipo a Isa Buzzi que eu falei, eu admiro muito ela, sou muita amiga dela e acho ela muito foda. 

PMBR: Até por que, se você tenta ser outra pessoa não vai dar certo só por que a outra pessoa deu certo, por que ela é ela e você é você. Não adianta querer ser a mesma coisa, não vai funcionar. 


ARIAH: "Exato, mas eu vejo que tem muita gente indo para essa onda como se fosse uma modinha, só que ta todo mundo fazendo isso, e eu vejo muita gente fazendo coisas iguais. (...) Sendo que você percebe quem está sendo verdadeiro e quem não está."

PMBR: E também esperamos que a galera passe a aceitar melhor artistas novos.


ARIAH: Sim, sendo que hoje em dia não é que nem antes, quando uma gravadora te achava e investia em você , não tem mais isso, agora você tem que fazer o seu corre sozinho sabe? 


PMBR: Se você ficar só esperando pela gravadora, nada acontece. 


ARIAH: Então, e ai é o jeito usar a rede social né, não tem outra forma 


PMBR: É algo que veio para o bem e pro mal, digamos.


ARIAH: Exato, eu não gosto de mexer em rede social, eu sei que é um ambiente extremamente tóxico. Assim, tem suas coisas positivas, adoro vídeos de gato e sou obcecada, mas pra mim rede social é trabalho, até os meu amigos enchem o meu saco com "ai, voce não responde o celular"... mas eu não respondo por que meu celular é trabalho. Para ficar conversando eu gosto de sair, tomar um café, fazer alguma coisa, por que eu já tô o dia inteiro no celular trabalhando, acaba que cansa e não é mais um lazer. 


PMBR: Até por que o músico tem que ser tudo: editor de vídeo, fazer o marketing, publicar, cuidar de redes sociais, é muita coisa né? 


ARIAH: Tudo. Eu sou minha cabeleireira, minha maquiadora, eu tenho sócios e meu empresário, só que tem coisa que eu falo "deixa que eu faço" por que eu sei que vou fazer do jeito que eu gosto, mas meu trabalho não diminuiu nem um pouco desde que eu comecei só porque agora eu tenho uma equipe - pelo contrario, só aumentou. 




Aqui encerramos nossa conversa, nosso agradecimento a Ariah por aceitar o nosso convite e desejamos muito sucesso para tudo o que vem por ai!


ARIAH: É meu sonho, eu estou vivendo meu sonho, sendo bem sincera. É muito doido, as vezes eu acho que eu estou realmente em um sonho tipo dormindo mesmo e vou acordar. Mas na realidade está acontecendo pra caramba, Axé!


 

Ariah se prepara para encontrar os admiradores na turnê "8 ou 80", com três datas anunciadas até o momento:




 




119 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page