top of page
Picsart_23-09-14_09-31-26-480.png
InShot_20220301_173144045_edited.jpg

Siga o Portal
nas redes sociais:

  • YouTube - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

PROCURE PELOS SEUS
POSTS FAVORITOS:

______________________

Victoria de Angelis e Thomas Raggi são destaque no Guitar World.



Na edição de Novembro da revista americana Guitar World, Måneskin ganha destaque na capa com a chamada "O mundo enlouqueceu por Måneskin", além de uma entrevista exclusiva com Thomas Raggi e Victoria de Angelis.


A revista explica parte da trajetória da banda e destaca a raridade de se ver uma banda de rock perto do Top 10 da Billboard Hot 100 - no ano passado, com Beggin', Måneskin alcançou a 15° posição.


"Tudo isso levanta a questão: como uma banda de rock italiana conseguiu fazer o que nenhum outro grupo de seu país fez antes? De acordo com o guitarrista Thomas Raggi, que formou o Måneskin com a baixista Victoria De Angelis e o cantor Damiano David em Roma em 2016, o plano sempre foi o mesmo – não ter nenhum plano."

Thomas: Nós realmente não pensamos demais no que fazemos. Sempre tentamos ser muito fiéis aos nossos instintos e apenas fazer o que gostamos. Acho que quando as pessoas nos viram e nos ouviram, perceberam que estávamos simplesmente sendo nós mesmos e curtindo o que fazemos..


Victoria: Acho que outras bandas se esforçam demais para fazer o que a indústria manda, mas os fãs percebem que é falso. Se tentássemos seguir esse caminho, saberiam imediatamente que não estávamos sendo genuínos. Não seria satisfatório fazer o que você não se acredita, então não fazemos.

Até agora, Måneskin lançou dois álbuns completos, Il ballo della vita de 2018 e Teatro d'ira: Vol. I , que demonstram seu crescimento artístico em rápida evolução no estúdio.


Complementando a variedade ardente de riffs esmagadores, ritmos aveludados e solos escorregadios de Raggi (ele cita Jimmy Page, Slash, John Frusciante e Jimi Hendrix como principais influências) está a poderosa seção rítmica de De Angelis e do baterista Ethan Torchio (ela traz o espírito punk, enquanto Torchio, que se juntou logo após a formação do grupo, é a cabeça do jazz). Ao vivo, no entanto, a banda já é um gigante totalmente formado. A hora do show para eles é uma chance de se exibir e, a partir do momento em que sobem ao palco, explodem, gerando o tipo de excitação visceral e crua que poucos grupos conseguem igualar.


Claro, ajuda ter um frontman durão, e David, que cresceu estudando cantores como Steven Tyler e Anthony Kiedis, é um pavão naturalmente extravagante que não gosta de sutileza. No recente Video Music Awards (durante o qual a banda ganhou o prêmio de Melhor Vídeo Alternativo por "I Wanna Be Your Slave"), ele desfilou no palco em calças sem costas que não deixaram nada para a imaginação. De Angelis também chamou a atenção por um mau funcionamento do guarda-roupa que deixou a parte de cima de sua roupa pendurada. (As câmeras da MTV se afastaram rapidamente, mas o momento ganhou as manchetes no dia seguinte.)



Pode-se argumentar que Måneskin está explorando cinicamente seu apelo sexual, mas Victoria De Angelis rejeita a ideia.


Victoria: “Não sentimos que devemos nos restringir de forma alguma. Existem bandas underground que dizem 'eu não vou ter um figurino', e todas essas coisas, e isso é legal. Mas não nos importamos com isso. Adoramos usar figurinos e nos divertir. Sabemos que podemos entregar a música, então não somos apenas imagem. Mas, para nós, ter a aparência que temos, é apenas ser quem somos. É rock'n'roll."


Talvez não haja maior selo de aprovação nos círculos do rock do que um convite para abrir para os Rolling Stones, e no final do ano passado Måneskin riscou esse item de sua lista de desejos.


Victoria: Isso é loucura, certo? Crescemos tocando covers dos Rolling Stones. Eles são uma das razões pelas quais começamos a fazer isso, em primeiro lugar. Ser reconhecido por lendas foi muito gratificante. Acho que significa que talvez não sejamos tão ruins.


Thomas: Tocar para o público dos Rolling Stones foi um grande desafio para nós. A multidão veio pelos Stones, obviamente, então tivemos que ir até lá e convencê-los. Foi um momento importante, e acho que foi uma conquista para nós conquistar aquele público. Foi muito, muito legal.


Nenhuma outra banda de rock italiana teve tanto sucesso nos Estados Unidos. Vocês se sentem pioneiros?


Victoria: [Risos] Estamos muito orgulhosos disso porque é realmente a primeira vez que um grupo italiano [faz] tanto sucesso fora da Itália. Mas você sabe, não estamos realmente fazendo música típica italiana, então sentimos que podemos adicionar um novo tom à forma como a Itália é percebida.”


Thomas: O que eu acho legal é como podemos mostrar aos italianos que eles têm uma chance de fazer isso também. Os jovens, especialmente, podem pegar um instrumento e dizer: "Ok, Måneskin chegou aos Estados Unidos em grande estilo. Talvez eu consiga"


Musicalmente, sua banda tem um som bastante poderoso e esmagador.

Quantos pensamentos e discussões foram necessários para chegar nesse som?


Thomas: Um pouco disso, claro. Gostamos de ter aquele som grande e esmagador. Claro, como somos três músicos – a bateria e dois instrumentos melódicos – fica mais fácil para cada um de nós se destacar. O que quer que você toque, as pessoas vão ouvir com bastante clareza.


Victoria: Alguns deles são falados, mas muitos ainda não. Mas se uma pessoa muda alguma coisa, isso pode influenciar toda a banda. Se você comprar um novo pedal ou algo assim, isso pode mudar a maneira como você escreve. Acho muito legal, afinal, como uma pessoa pode ter tanto impacto. Se fôssemos, sei lá, seis ou sete membros, poderíamos realmente fazer isso? Nós influenciamos uns aos outros e experimentamos. Nosso som é resultado de um longo processo de experimentação.


Thomas: Cada um de nós tem uma formação musical diferente, mas juntos somos uma boa combinação. Como Ethan, ele gosta de jazz, soul clássico e coisas experimentais, e isso é muito legal quando ele toca uma música que é mais rock. Então você joga um pouco de rap e qualquer outra coisa que queremos fazer, e de repente há um som cruzado.


Thomas, quem realmente despertou seu interesse pela guitarra?


Thomas: Eu era muito hard rock – Guns N' Roses, Led Zeppelin. Eu gostei de Slash e Jimmy Page, mas também adorei Jimi Hendrix. A maneira como ele compunha as músicas era absolutamente incrível. Uma das minhas maiores influências é John Frusciante dos Red Hot Chili Peppers. Prestei muita atenção na maneira como ele tocava o ritmo e conduzia com tanto sentimento e criatividade. Ele é incrível. Também gosto muito do Joe Bonamassa, mas o estilo dele é bem diferente de tudo que eu faço.


Você mencionou Frusciante. Eu ouço isso em como você toca arpejos, mas também, como você disse, na maneira como você alterna entre ritmo e solo.


Thomas: Exatamente, sim. Quando você é o único guitarrista, se tem muita responsabilidade porque esse é o instrumento mais harmônico da banda. Você tem que construir músicas e manter a música unida, mas você também deve lançar viradas, licks e solos. É um grande papel. Alguém como Frusciante me deu muitas ideias sobre como eu lidaria com meu próprio trabalho como o único guitarrista de uma banda. Como solista, como mencionei, há Slash e Hendrix e Jimmy Page. Eu escutei bastante todos eles.


Vocês dois eram bem jovens quando formaram o Måneskin. Victoria, você mencionou que tocou em bandas anteriores. Você sentiu como se algum desses grupos tinha a chance de realizar algo assim?


Victoria: Não. Estivemos em muitas bandas ruins antes desta. Bandas muito ruins.


Vamos falar sobre seus instrumentos. Victoria, vejo que gosta do baixo Danelectro Longhorn. Por que você gravitou em torno desse modelo?


Victoria: Bem, no começo eu toquei um Fender P-Bass, o que foi muito divertido, mas foi muito pesado para mim. Eu queria um baixo de escala curta, então comprei um Fender Mustang. Foi bom, mas não tinha o baixo nível que eu estava procurando. Então, por acaso, vi o Danelectro Longhorn em uma página de instrumentos usados. Era muito barato, então pensei: 'Tudo bem, vou tentar isso'. No começo, não achei bom e pensei: 'Tanto faz. Vou levar para os ensaios. Então eu comecei a tocar com a banda e pensei, 'Foda-se, isso é realmente muito bom!' Foi assim que tudo começou. Gostei muito do tom e da sensação. Não há muitos baixistas que o usem, então gosto de como é um pouco único.


Agora, Thomas, você toca algumas guitarras diferentes, mas parece que a principal é a Fender Relic Strat '63.


Thomas: Eu uso essa, mas para ser honesto, minha guitarra principal é uma Squier, não uma Strat. É uma das mais antigas do Japão. Eu costumava tocar apenas com uma Fender Strats. Para mim, uma Stratocaster é como um instrumento completo. Eu amo como você pode tocar funk, rock e metal com uma Strat. Também é um instrumento muito confortável, o que é ótimo. Eu experimentei com outros tipos de guitarras. Na verdade, algum dia quero tocar com um Danelectro porque nunca usei um antes. Isso seria bom.


Vamos tocar em algumas de suas canções. Zitti e buoni tem um riff de nocaute. Eu ouço um pouco de Jimmy Page lá, mas para mim tudo vem de Hendrix e Purple Haze .


Thomas: Sim, é verdade. Como mencionei, eu me inspiro muito em Jimi Hendrix. Purple Haze, Foxey Lady – Eu não estava pensando especificamente sobre coisas assim, mas Hendrix vem muito naturalmente para mim. Eu gosto muito da música dele.


Victoria, em muitas músicas, principalmente em Supermodel , o som do baixo realmente domina os versos.


Victoria: Sim. Thomas e eu realmente gostamos de misturar as coisas. Às vezes ele estará mais à frente com a guitarra, e outras vezes o baixo será mais dominante. Depende apenas do processo de composição e de quem vem com o riff. Você nem sempre quer ouvir um som por toda parte. Isso é algo que achamos desafiador - encontrar os momentos certos para a guitarra se destacar e outras vezes quando o som de Thomas ficará um pouco para trás. Não queremos que pareça chato.


Vocês tem uma música chamada Make You Feel no novo álbum, na qual vocês dois se unem para um som forte e forte. É um pouco reminiscente do White Stripes.


Victoria: Ah, com certeza. Nós amamos os White Stripes, é claro. Jack White é bom pra caralho. Ele é um dos melhores guitarristas de todos os tempos, pela forma como experimenta sons e efeitos. Na verdade, eu diria que se assemelha a Royal Blood – eles têm aquele som grande e denso. Gostamos de tentar ter um instrumento melódico carregando tudo, às vezes a guitarra e depois o baixo. Dá mais energia ao som.”


Thomas: Isso é o que eu acho muito inspirador, como podemos sustentar o som da banda com essas partes muito simples, mas criativas. Nós dois somos muito flexíveis nesse sentido.


Thomas, há uma música no álbum chamada Time Zone em que você toca arpejos muito bonitos e limpos, mas no final você faz um solo insano.


Thomas: Oh, obrigado, cara. Muito obrigado. Sim, quando faço um solo, gosto de ir em frente.



(...)



Seus álbuns foram bem, mas a banda realmente estourou com os singles. Isso cria pressão para você realmente garantir que seu próximo álbum seja tão sólido quanto seus singles?


Thomas: De certa forma, porque acho que as pessoas realmente precisam ouvir a história completa sobre nós.


Victoria: Estamos tentando não sentir muita pressão, mas é claro que queremos fazer algo bom. A indústria funciona do jeito que funciona, e tudo bem. Estamos felizes em fazer singles, mas o nosso próximo álbum é como uma grande fotografia do que somos. Queremos dar a você gostos diferentes e não apenas fazer "as coisas mais populares". Gostaríamos de experimentar mais.


Vocês viajaram bastante pelos Estados Unidos no ano passado. Quais são suas impressões?


Thomas: Oh, é bem legal! [Risos] É ótimo ver como as pessoas nos aceitaram. É muito difícil para uma banda como a nossa alcançar tantas pessoas na América. Há tantos artistas incríveis nos Estados Unidos – em Nova York e LA e por toda parte. Se você é da América e vem para a Itália, isso é uma coisa, mas fazer o contrário é outra coisa. É louco. No geral, estamos muito felizes com o que está acontecendo.”


 

Texto: Joe Bosso © Guitar World | 01 de Dezembro de 2022

Tradução: Juliana Galvão | Portal Måneskin Brasil


A tradução realizada nessa publicação não tem pretensão de infligir os direitos autorais do autor ou da casa de publicação, mas dar a conhecer o conteúdo em outros idioma - de público limitado em comparação àquele primeiro de forma que tal publicação que não substitua ou ofenda o conteúdo original. Para remoção, pacífica favor entrar em contato por e-mail (portalmaneskin@gmail.com) ou através das redes sociais.

621 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page