top of page
Picsart_23-09-14_09-31-26-480.png
InShot_20220301_173144045_edited.jpg

Siga o Portal
nas redes sociais:

  • YouTube - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

PROCURE PELOS SEUS
POSTS FAVORITOS:

______________________

Måneskin para a Flaunt Magazine (08/2022)


Disclaimer: transcrição e tradução da matéria e entrevista feita pela FLAUNT MAGAZINE ao Måneskin, publicada em 22 de agosto de 2022.

Måneskin: alcançando as estrelas.

Quando entro pela primeira vez pelas portas do restaurante italiano Emilio's Ballato, no NoLIta, em Manhattan, seu dono homônimo me cumprimenta com um “Posso ajudá-lo!?” que se poderia traduzir a saudação como: “Saia daqui!” Mas suponho que esse seja o charme nova-iorquino do lugar, uma lanchonete de molho vermelho sob o radar que começou a servir penne em 1956. Suas paredes estão cobertas com uma miscelânea de clientes famosos: em um canto está Rihanna, enquanto isso, Justin Bieber e Barack Obama são representados separadamente; ambos posando com o dono Emilio, todos com grandes sorrisos. David Bowie, que costumava morar a alguns quarteirões de distância, é fortemente apresentado na forma de vários 8 x 10 assinados, bem como capas de álbuns e revistas; muitos apresentando seu auge do glam rock e todos apresentando a moda excentricamente inovadora da lenda. Então é o destino ou coincidência que os assentos que os quatro membros do Måneskin decidiram tomar enquanto conversam para a reportagem de capa da Flaunt estejam diretamente na frente do álbum de 1973 do falecido Bowie, "Pin Ups".



“Nunca pensamos que poderíamos realmente fazer (o que fizemos) em tão pouco tempo”, explica Damiano David, vocalista de 23 anos do grupo, sobre sua ascensão explosiva das ruas de sua terra natal, Roma, Itália, para ser em cinco anos uma daquelas raras forças do rock and roll a serem consideradas.




O Rock and roll é um gênero anêmico onde a maioria dos grupos mais populares do cenário atual são elegíveis para associações AARP, e o hip-hop se tornou o rock and roll de escolha. Mas o sucesso de Måneskin voa de forma extravagante diante das tendências atuais, desde sua onipresente vitória em 2021 no Eurovision (com a provocadora “ZITTI E BUONI”) até aparições de virar a cabeça nos Estados Unidos, no Coachella e no Saturday Night Live. Eles recentemente se apresentaram na frente de 70.000 pessoas, incluindo Angelina Jolie e sua filha Shiloh, em um show da cidade natal no estádio Circo Massimo de Roma, enquanto a frenética “SUPERMODEL”, que eles estrearam durante um set de convidados no Eurovision 2-2022, é atualmente um sucesso global na Itália, na América e além.


“Ao mesmo tempo”, pondera David, enquanto serve uma garrafa verde cintilante de San Pellegrino, “nós buscamos tudo isso. Então, sempre quisemos ir o mais longe que pudéssemos e queríamos ver como era isso. Acho que é o segredo do nosso sucesso é ser despreocupado.”


Sim, ser despreocupado: a principal marca do famoso estilo de vida "La Dolce Vita", que os italianos parecem incorporar naturalmente: um gole de café expresso pela manhã, um gole de spritz à noite. No meio de algum trabalho, mas não sem uma soneca situada naturalmente no meio. Como um ítalo-americano, posso dizer decididamente que ser despreocupado não é a marca registrada do meu povo. O que é uma marca registrada, no entanto, é o espaguete e as almôndegas. Também está no menu Ballato de Emilio e um item que é decididamente tudo, menos autenticamente italiano. Ainda assim, David, junto com o baterista Ethan Torchio e o guitarrista Thomas Raggi, todos pedem com uma sensação de pura devassidão em seus olhos. (Afinal, eles são estrelas do rock and roll.)


É muito sacrilégio, diz a baixista Victoria De Angelis com um sorriso.


"Existe na Itália… mas é diferente”, acrescenta Torchio.



E não me surpreende que o grupo tenha uma queda por diferenças culturais e uma propensão a explorá-las. Crescendo em Roma, os membros praticamente ouviam exclusivamente música americana. Torchio foi para o jazz, Raggi adorava as bandas Anthrax e Metallica, De Angelis era tudo sobre Bowie e The Stooges (Måneskin faz um cover animado da faixa submissa de 1969 do último grupo, “I Wanna Be Your Dog”). Só David admite ouvir música italiana na forma do cantor Toto Cutugno, conhecido por “L'Italiano”, hino pop para o país. Então, finalmente, ele mudou para bandas como o Red Hot Chili Peppers, quando ele tinha apenas dez anos e nunca mais olhou para trás. (É lógico que a presença de palco de David, com o hábito de arrancar sua camisa para um corpo bronzeado e tatuado enquanto seu cabelo comprido balança ao redor, é uma reminiscência de Anthony Kiedis.)


“Não há muitas pessoas ouvindo esse tipo de música na Itália”, diz De Angelis, referindo-se a como esses quatro aficionados do rock formaram sua amizade na escola (encontraram Torchio no Facebook) antes de tocar nas ruas antigas de Roma, que é onde eles aprimoraram sua presença de palco inconfundível. (A banda colocava um estojo de guitarra, ou às vezes até uma caixa de sapatos, pedindo doações de turistas endinheirados que passavam). “É muito difícil viver em Roma, mas há prós e contras. Para os jovens, a cidade está morta. Não há muitas oportunidades para um jovem que quer trabalhar nas artes.”


Ao mesmo tempo, porém, viver ali também serviu de musa metropolitana.


"Geralmente, Roma é tão bonita, então é muito inspirador se você quer fazer arte de qualquer forma. Mas é muito difícil realmente chegar lá."


Seus pratos de espaguete e almôndegas chegam e Raggi e David fazem algo que eu pessoalmente nunca vi antes: eles amassam suas almôndegas, misturando-as com o macarrão e transformando-o em um molho de carne de fato ali mesmo na mesa. Mas depois de pensar um pouco, pegar algo que é italiano e transformá-lo em outra coisa é apenas a natureza deles. Seu apelido, Måneskin, a palavra dinamarquesa para luar, vem do fundo dinamarquês de De Angelis; decidiram temporariamente antes de se inscrever para um show de talentos. Enquanto isso, sua dieta constante de rock americano colidindo sonoramente com uma educação em Roma resultou em músicas como “MAMMAMIA”, única por ser uma música distintamente italiana influenciada por qualquer coisa, menos música italiana.


É uma tradição orgulhosa que muitas outras bandas de rock de sucesso participaram. Os Rolling Stones, por exemplo, notoriamente tinha uma paixão pelo blues americano e, depois de combiná-lo com suas sensibilidades inglesas, transformou-o em algo próprio. Talvez seja exatamente por isso que a banda convidou Måneskin para abrir um show para eles no ano passado.

“Mick Jagger estava super informado”, diz David sobre a experiência de encontrar com a lenda durante uma turnê em Las Vegas. "Muito legal. Ele sabia tudo sobre nós. 'Obrigado por estar aqui, bah-bah-bah', super empolgado. E então Keith Richards foi: 'Eu não sei quem diabos você é. Mas me disseram que vocês são muito bons e que você [Thomas] toca guitarra, então continue fazendo isso, divirta-se esta noite, até mais!”, ele retransmite, amando a indiferença de Richards.


Acrescenta De Angelis: “Foi icônico”.


Måneskin ganhou o Eurovision durante um momento auspicioso. A banda já estava em uma trajetória ascendente quando eles viajaram para Rotterdam para a série histórica de competições, que resultou em vencedores anteriores que vão de Celine Dion ao ABBA. O já mencionado Cutugno também venceu em 1990, a última vez que a Itália levou para casa o prêmio principal.


Diz De Angelis: “A maioria dos concorrentes fazem do Eurovision o objetivo principal, mas antes de entrarmos já tínhamos feito turnês, lançado dois discos inteiros, tocado no rádio e tudo mais”.


"Também perdemos o X Factor ”, interrompe David, referindo-se à versão italiana da série onde eles ficaram em segundo lugar em 2017.


“Então já sabíamos que não seria novidade se perdêssemos o Eurovision também”, diz De Angelis. “Pensamos; vamos dar uma chance. Se não vencermos, foda-se todos.”


Há aquela atitude despreocupada novamente; um fator em sua confiança que levou à sua vitória no Eurovision e blindagem contra uma reação inevitável em sua Itália natal.

Afinal, é um país conservador, de governo católico, onde o rock é uma raridade e a contribuição da Itália para a música mundial vem principalmente na forma de ópera.


“Estamos polarizando nossa casa”, diz David sobre a recepção. “As pessoas nos amavam loucamente e outras pessoas nos odiavam. E os artigos eram super maldosos, revistas falando um monte merda sobre nós. "Eles não merecem, são uma merda, não deveriam estar representando a Itália”.


Acrescenta De Angelis: “É tão estúpido porque a maioria das coisas pelas quais somos criticados são razões que não deveriam existir em 2022 (ou em qualquer ano). Muito misógino, muito homofóbico. Opiniões muito fechadas e estreitas. É muito triste. São os jovens que estão tentando fazer a diferença.”


Nosso almoço está terminando e Torchio pede um Amaro antes de se prepararem para partir e se espremem em uma caminhada, ao virar da esquina para pegar algumas roupas em seus poucos momentos de folga, antes de terem que correr para a passagem de som para uma apresentação privada no PUBLIC, o hotspot hotel de Ian Schragger da fama do Studio 54.


É apropriado que o estilo deles também seja uma reminiscência daquelas noites no famoso clube, com o grupo seguindo as dicas do New York Dolls, Iggy Pop e, claro, Bowie.


“Tantos artistas usaram a aparência para enviar uma mensagem”, observa De Angelis, que diz que o grupo era aficionado por brechós quando ainda tinha tempo para ler sem receber a atenção de celebridade. “Nós apenas tentamos nos sentir confortáveis ​​e nos vestir com confiança.”


Para os membros do grupo, isso também inclui algum estilo de flexão de gênero; os quatro são conhecidos pela maquiagem elaborada, com delineador. É uma marca registrada: Torchio e seu cabelo preto esvoaçante e David sempre usando um par de brincos pendurados.


Diz Torchio: “Nós nos vestimos de uma maneira em que nos sentimos empoderados e bem em nossa própria pele e ainda nos divertimos”.


Quando todos se levantam para sair, o dono Emilio, ainda na porta da frente, faz um pedido: ele pode posar para uma foto com o grupo?


“Claro”, eles dizem, já que a fotografia provavelmente será uma adição futura à sua parede abarrotada, colocada em qualquer lugar entre uma foto desbotada em preto e branco de Frank Sinatra e uma foto de Emilio com Leonardo DiCaprio e Al Pacino (todos juntos em mesma tabela).


Nosso garçom de Nápoles, que manteve a cabeça fria durante toda a refeição, se pergunta como eu conheço a banda. “Eles trouxeram o rock para a Itália”, ele diz baixinho.


Mais tarde, no porão do PUBLIC Hotel, apelidado de House of X, a banda está atravessando sua discografia, desde sua primeira marca registrada (um cover apaixonado de Frankie Valli e o hit do Four Seasons "Beggin'", que ganhou top rock honras no Billboard Music Awards) ao triunfo do Eurovision , “ZITTI E BUONI” (que se traduz aproximadamente como 'cale a boca e comporte-se'), com a banda tocando "If I Can Dream" de Elvis, que ele tocou em seu especial de retorno de 1968, seu próprio.


Antes de Raggi começar o riff de “SUPERMODEL”, David chama isso de um momento especial (ele vai repetir isso várias vezes). Talvez ele esteja se referindo ao fato de a música ser seu maior sucesso mainstream até agora, atualmente a música número 1 nas paradas Alternative Airplay aqui nos Estados Unidos depois de ganhar o disco de ouro na Itália.

Até mesmo a criação da faixa destacou um marco diferente para o sucesso da banda, com o poderoso produtor Max Martin convidando o grupo para a Suécia por dois meses para trabalhar na música. Mesmo que nada tenha acontecido, o mero convite os ungiu como um dos atos mais importantes da música.


“Sempre tivemos um sinal”, David me contou mais cedo sobre trabalhar com o enigmático Martin que cunhou sucessos para todo mundo, de Britney Spears a The Weeknd. “Eu sempre usava um chapéu quando escrevíamos. E quando eu fiz isso”, ele explica, enquanto balança seu próprio chapéu para cima e para baixo, “estava ficando muito pop. Era meu sinal pop, meu sinal pop. E ele dizia: 'Ok, ok, ok, ok! Nós vamos dar um passo para trás. Sem problemas!' Ele é super aberto. Ele não quer forçar ninguém a fazer nada.”



Enquanto “SUPERMODEL” não é liricamente sobre uma pessoa específica, ela faz alusão às experiências da banda em Los Angeles.


“Conhecemos essa grande tendência de pessoas tentando ficar famosas, conseguir seguidores, postar a história mais legal, as festas mais legais, usar roupas bonitas e caras e toda essa merda. Sentimos que todos fingiam ser supermodelos. Então é por isso que a música é sobre isso.”


Quando o show termina, todos da banda estão sem camisa e encharcados de suor, agora partem para seu próximo compromisso: uma aparição no Lollapalooza. O Metallica tocou no primeiro dia do festival de Chicago; Måneskin tocará no último dia. No caminho para lá, De Angelis publica uma série de histórias no Instagram de suas aventuras em Nova York. Uma delas é de Torchio, olhando para a câmera durante nosso almoço no Emilio's. À sua esquerda, De Angelis inseriu dois emojis de bandeira italiana. Abaixo dele, o garfo de Torchio está enfiado no prato de espaguete e almôndegas, a carne amassada e remisturada em um molho de sua própria criação.





 

Tradução: Juliana Galvão | Portal Måneskin Brasil © 2022

Original: Rob LeDonne | FLAUNT © 2022





Todos os direitos reservados a Flaunt Magazine


1.166 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page