top of page
Picsart_23-09-14_09-31-26-480.png
InShot_20220301_173144045_edited.jpg

Siga o Portal
nas redes sociais:

  • YouTube - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

PROCURE PELOS SEUS
POSTS FAVORITOS:

______________________

  • Bruna

Måneskin: nem todos são capazes de viver esse tipo de vida (02/2022)


Disclaimer: transcrição e tradução da matéria e entrevista feita pela KERRANG ao Måneskin, publicada em 04 de Fevereiro de 2022.

Måneskin: "Você tem que estar mentalmente preparado... nem todos são capazes de viver este tipo de vida".


Em 2021, Måneskin ganhou o Eurovision, conquistou a América e tiveram um número maior de streams em um mês do que Metallica, Bring Me The Horizon e Biffy Clyro juntos. Digam olá para as estrelas de rock'n'roll italianas em ascensão, que se preparam para dominar 2022.


Entrevista com Måneskin:


O Eurovision tem numerosas superstições e maldições.

A maldição do número dois” é nomeada assim porque nenhum país que tenha atuado no segundo lugar da ordem de performances jamais venceu a competição.

Diz-se que os artistas que usam a cor verde estão condenados ao fracasso.

Artistas representando uma nação que sediou o evento no ano anterior invariavelmente se saem mal com os juízes. Até mesmo o número 43 é considerado azarado.


O mais perigoso de tudo, é claro, é a ameaça sempre presente de que um grupo aparecerá e

nunca mais vai ser ouvido de novo. Muito mais rara é a possibilidade de que alguém que se

apresente no espetáculo consiga o estrelato global. Mas ao vencer o Eurovision de 2021 com

uma apresentação de Zitti e Buoni na Ahoy Arena, testemunhada por uma audiência de TV de 183 milhões de pessoas, o quarteto italiano Måneskin fez exatamente isso. Nos meses que se seguiram, seus pés mal tocaram o chão.


"Acho que estivemos em 15 ou 20 países nos últimos seis meses", diz Damiano David, o cantor do grupo, uma ótima contagem em meio a uma pandemia planetária. "Já estivemos em

praticamente toda a Europa e nos Estados Unidos. É ótimo ter tido a oportunidade de viajar e

visitar novas cidades para as quais não teríamos tido a oportunidade de ir. Também é legal ter o feedback de pessoas diferentes e culturas diferentes e interagir com todas essas pessoas. É muito inspirador e é muito legal".


"Tem sido ótimo", continua a baixista Victoria De Angelis. "É como um sonho que se tornou

realidade. É algo que queremos há muitos anos, e ver acontecer em tão pouco tempo é

incrível. É como se não conseguíssemos decidir se é real ou não. Às vezes é difícil dizer o que realmente está acontecendo".


Bem, eis o que está acontecendo:

Atualmente, Måneskin atrai 38 milhões de plays mensais no Spotify, um número que os coloca no Top 40 dos artistas mais difundidos do mundo. Para quem procura contexto, no mesmo período, o Metallica teve pouco menos de 18 milhões de plays. Obscuros heróis como David Bowie (15,5 milhões), The Rolling Stones (21 milhões) e The Beatles (25 milhões) estão todos jantando sobre o pó dos italianos. A gravadora deles diz que a última artista que eles viram crescer desta forma foi Katy Perry.


"Ver nossos números crescerem tanto em tão pouco tempo é uma loucura", admite Victoria.

"Especialmente quando se leva em conta o tipo de música que tocamos, considerando que

algumas das canções estão em italiano. Os números são uma loucura e estamos muito gratos

por isso".


Måneskin - cuja formação é completada pelo baterista Ethan Torchio e pelo guitarrista Thomas Raggi - passa tanto tempo expressando gratidão que às vezes pode se sentir como se nossa entrevista fosse com uma trupe de apresentadores de televisão infantil. Uma turma de jovens simpáticos, o grupo se formou quando eram adolescentes em Roma em 2015; quando ganharam a Eurovision já tinham lançado dois álbuns (Zitti e Buoni é a faixa de abertura de seu segundo LP, Teatro d'ira: Vol. I, lançado em março).


O Eurovision não foi sequer o primeiro concurso de TV em que o quarteto participou; tocando versões cover das músicas de The Killers e Franz Ferdinand, em 2017 terminaram em segundo lugar na edição italiana de The X Factor.

Com este sucesso, a primeira turnê europeia do quarteto foi vista por mais de 140.000 pessoas. Mesmo assim, foi a noite em Rotterdam que realmente colocou fogo nas coisas.


Em uma manhã fria de sábado via Zoom, Måneskin fala (alegremente) sobre não ter tido quase nenhum tempo para passear e ver a cidade no que é sua primeira visita a Nova York. Quem sabe, dizem eles, talvez mais tarde eles tenham a chance de dar um passeio pelo Central Park. Algumas noites antes, o grupo apareceu no The Tonight Show com Jimmy Fallon; quatro noites depois, eles serão convidados no The Ellen Show em Los Angeles.


Depois de liderar concertos no Bowery Ballroom de Nova Iorque e no The Roxy em LA, em 6 de novembro os italianos subiram ao palco no Allegiant Stadium em Las Vegas como convidados especiais dos The Rolling Stones. Para um grupo cuja idade média é de apenas 21 anos, a mudança nas circunstâncias é certamente surpreendente. Assim como todo o resto, pode ser tão surpreendente para uma banda receber mais quando o que eles esperavam era receber menos.


"Claro que estamos cientes disso", afirma Damiano. "Estamos cientes de que é difícil e que você tem que estar mentalmente preparado e mentalmente forte, e nem todos são capazes de viver este tipo de vida. Mas eu diria que somos [capazes] porque nos preparamos há cinco anos. Somos amigos desde que éramos realmente jovens. Nós nos conhecemos muito bem. Conhecemos as melhores partes de nós. Somos capazes de ajudar um ao outro sempre que algo parece ser muito pesado ou muito estressante ou algo assim. Sinto que você tem que ser capaz de entender seus limites e estabelecer limites quando precisa descansar e desaparecer por um pouco e se concentrar em sua vida pessoal".



Então, quando será a próxima vez que vocês poderão descansar?


"Talvez [no] verão", diz Victoria.


A primeira vez que Måneskin - confusamente, a palavra dinamarquesa para luar - apareceu em Londres foi para uma data no pequeno clube de Oslo, em Hackney, em fevereiro de 2019.


Antes de tocar um set curto para um pequeno público composto principalmente de expatriados italianos, três quartos da banda passaram o tempo fumando cigarros no pequeno banheiro ao lado do seu camarim. O que eles não sabiam era que um exaustor estava direcionando a fumaça diretamente para o local onde as pessoas se reuniam para vê-los tocar. Se não fosse por uma pancada na porta de um oficial de saúde ambiental uniformizado, eles poderiam nunca ter sabido de nada. Hoje, ninguém no grupo pode se lembrar se a multa de 2.000 libras esterlinas que receberam por fumar em um local público excedeu o dinheiro que ganharam ao tocar no concerto.


"Acho que o público era de cerca de 500 pessoas", diz Victoria.


"Não", conta Damiano, "era menos do que isso".


"600 pessoas?", pergunta Victoria.


Na verdade, foram 350 de ingressos vendidos, mas não importa.

Como em outras partes do mundo, no Reino Unido, a estrela de Måneskin está em ascensão. E, quanto aos novos apoiadoras que estão se reunindo rapidamente, o que eles podem esperar quando a banda voltar ao nosso território? Pistas podem ser extraídas do triunfo em Rotterdam.


Independente do caminho não convencional que eles tenham iniciado em busca do sucesso no mundo do rock, eles foram e são, na raiz, uma banda que depende de sua presença e suas músicas como o meio mais seguro de causar impacto.


"Temos um show muito cru", explica Damiano. "Nós apenas tentamos manter o foco na música e em nós mesmos. Na verdade, não usamos muitos efeitos ou pirotecnia. O principal para nós é interagir com o público. É realmente duro e tentamos usar o máximo de energia possível, mas não usamos muita produção".


O que na verdade é bastante corajoso.

Na música popular, as coisas que sobem muitas vezes podem voltar direto para baixo.

Coisas que sobem tão rápido quanto Måneskin podem cair ainda mais rápido.

Por mais vasta que seja a vitrine de uma loja como a Eurovision, a banda não tem dúvida de que o evento não é o meio mais credível, ou mesmo o mais confiável, de atrair um público.


Mas como diz Damiano, mesmo que o quarteto não tenha visto o evento como sendo "sério", eles focam em "o que podíamos trazer para a competição, ao invés do que a competição em si era, era sério". E o que eles trouxeram foi uma música vencedora de um álbum seguro que desmente a relativa inexperiência de seus autores.


Não deixe que o embrulho e o brilho da extravagância de maio os enganem.

A longo prazo, os sucessos e fracassos de Måneskin não serão definidos por uma aparição de quatro minutos em um programa de televisão ao vivo. Eles nunca seriam uma banda de uma só canção.


"Não, nós não estávamos realmente preocupados com isso", concorda Victoria. "A razão pela qual isto acontece com muitos artistas é porque eles vão [no Eurovision] e tem apenas aquela canção que interpretam e não têm realmente uma visão muito maior sobre o que eles querem fazer. Se as pessoas gostassem de nossa exposição lá, então elas seriam capazes de se aprofundar mais em quem somos. Então foi isso que aconteceu. Portanto, se eles acham que as pessoas simplesmente são esquecidas após algumas semanas, é porque não têm material suficiente para que as pessoas continuem se interessando por elas".


A julgar pelo quão longe eles já foram e como se distanciaram daquela plataforma de lançamento, Måneskin não terá tais preocupações em breve.


 

Tradução: Bruna Brito | Portal Måneskin Brasil © 2022

Original: Ian Winwood | Kerrang © 2022




Todos os direitos reservados a Kerrang

396 visualizações0 comentário

Commenti


bottom of page